Finalmente em restauração!

Padrão

Visto que nunca mais recebi nenhum dos outrora frequentes e-mails de leitores com perguntas e dicas sobre o meu Maverick GT, imagino que, para muitos, as velhas páginas datadas ainda de 2007 e sem atualização tenham dado a entender que eu tinha desistido do carro. Vendido, sei lá. Mas nãããããão — e finalmente ele está, agora, passando pela merecida, desejada e definitiva restauração!

Cabe esclarecer por que é que nunca mais falei dele. Dinheiro, oras. Passei um bom tempo mais ocupado em construir minha casa, e mais um bom tempo depois pagando as contas que tais empreitadas costumam deixar. Mas finalmente foi possível respirar um pouco. Neste período, o meu Maveco proporcionou e viveu momentos de altos e baixos. Sim, os baixos em maioria, e especialmente os pneus. Simplesmente não houve jeito de fazer uma das rodas traseiras segurar bem a pressão de ar, mesmo após três ou quatro tentativas de restauração. Tive que colocar uma câmara de ar, infelizmente. Convenci-me quando lembrei que, na época do carro e dessas rodas, pneu sem câmara no Brasil era coisa raríssima. Então, se elas foram feitas para usar câmara, paciência.

Outra coisa que me aborreceu muito no Maverick foi o maldito do motor de partida. Se eu dirigisse por, sei lá, 20km, parasse e desligasse o carro, não podia de jeito nenhum tentar dar na chave de novo por um bom tempo. Com o motor quente, sei lá por quê, o motor de partida ficava louco. Não girava direito, ficava só fazendo um preguiçoso “nhém, nhém, nhém”, e mesmo se eu desistisse e tirasse a chave do contato ele continuava nesse nhém-nhém-nhém, comendo a bateria, esquentando a fiação, me deixando desesperado. Da última vez que isso aconteceu, eu me esqueci do problema e fui tentar corrigir a posição do carro numa vaga de estacionamento. E eu não tinha nenhuma ferramenta para desligar a bateria. Olha, juro que pensei que ia pegar fogo, depois que começou a soltar fumaça pela fiação elétrica. Meti o pé no borne positivo da bateria e só assim consegui desligar o miserável — às custas da bateria, que ficou com a base do borne rachado. Algumas horas mais tarde, foi só encostar a chave e o carro pegou na hora. Filho da puta.

Alguns dias depois, porém, o motor de partida morreu de vez. O carro só podia pegar no tranco e, por isso, deixei de andar com ele na frequência necessária para mantê-lo saudável. O que só tornava ainda mais difícil fazer ele pegar quando era preciso.

Mas enfim. Certa feita, procurando um pivô de suspensão dianteira, descobri na cidade de Sobradinho, DF, uma oficina especializada em Mavericks, Landaus, Galaxies, V8s importados e carros antigos. O mecânico se chama Cláudio, conhecido também como “Mas É”, ainda não sei por quê. Ele mesmo tem um Maverick laranja que está remontando aos poucos na sua oficina. O cara me pareceu entender realmente do negócio. Guardei o cartão dele por longos meses, e quando pude enfim mexer com isso, voltei lá. O que combinamos como serviço foi a desmontagem do carro para que ele fosse levado a uma funilaria, e depois a montagem com revisão dos sistemas de motor, câmbio, suspensão e freios.

Cláudio mandou o Maverick dele para um lanterneiro e pintor de Planaltina, conhecido como Camelo, que tinha fama de detalhista, perfeccionista e caprichoso; e a princípio seria este mesmo pintor que receberia a carcaça do meu GT. Mas a fama pode ter feito o tal pintor exagerar em seus orçamentos, e ao preço proposto de R$ 6.000 respondi com “não, obrigado”. Então Cláudio me recomendou o Jurandir, lanterneiro que faz alguns serviços para ele com boa qualidade apesar de ter uma oficina extremamente simples. Então levamos o carro ao Jurandir, em maio de 2010, com o preço combinado de R$ 3.500 pelo serviço completo.

Jurandir desmontou os forros das portas e os parachoques, descobriu os podres nas caixas de ar e nos paralamas, encontrou nas laterais traseiras consideráveis placas de massa plástica — legado de alguns anos de serviços de porco, decerto. O primeiro trabalho de importância, porém, era colocar no gabarito o alinhamento dos paralamas dianteiros. Aparentemente, devido à falta das características travessas superiores da suspensão — que, ao que me conste, não saíam de fábrica em todos os Maverick — o tempo foi fazendo com que o peso do motor e os esforços da carroceria repuxassem os paralamas para dentro, tirando assim, por exemplo, o alinhamento que permite à tampa do motor se encaixar perfeitamente em seu vão. O meu Maverick parece ter feito um bico, ficando mais fininho na ponta do capô do que na base do parabrisas. Só consegui comprar uma das travessas superiores, por enquanto, mas Jurandir pegou a outra emprestada do Maverick de Cláudio e usou-a para colocar os paralamas em seus devidos lugares.

Em breve, vou publicar aqui algumas fotos do cofre do motor e dos paralamas. Não perca os próximos capítulos! 🙂

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *