História, tablet e Steve Jobs

Padrão

Uma edição especial de 1989 da revista Superinteressante trazia, na capa, a manchete “Um caderno a mais na pasta do estudante” para uma reportagem sobre uma idéia inovadora de o que seria o “computador do ano 2000”. Era o tablet. Há meses eu esperava passar para o computador essa reportagem, e o “empurrão” veio com as bobagens que coleguinhas da imprensa fanáticos por seus iPhones mas um tanto mal-informados andaram dizendo com a partida de Jobs.

O conceito do tablet apresentado na reportagem — com muitas características tecnológicas que de fato se confirmaram 20 anos depois — foi bolado por um grupo de estudantes da Universidade de Illinois, EUA, para um concurso de criatividade promovido pela mesma Apple de Steve Jobs. Mas ele mesmo não estava lá na época, e sim em outra influente empresa que criou, a NeXT, após ser afastado da Apple por decisão do conselho administrativo. Por coincidência (ou não), a reportagem traz um quadro especialmente sobre a história da Apple.

Baixe aqui um PDF com a reportagem (7,9 MB)

Sempre admirei a história e as criações inovadoras (e às vezes fracassadas) da Apple. Steve Jobs foi realmente um visionário, conhecido por ser muito exigente em relação à usabilidade dos produtos da Apple. Mas boa parte disso se devia, justamente, ao fato de ele não ser um gênio tecnológico como foi o verdadeiro criador do computador Apple, seu parceiro Steve Wozniak — esse sim um gênio que criou uma máquina de somar e subtrair para uma feira de ciências da escola aos 13 anos de idade. É errado, enganoso e injusto se atribuir a Steve Jobs, por ocasião de sua perda, as invenções e idéias de outras pessoas. O mouse foi inventado muitos anos antes do Mac, em 1963, por Doug Engelbart. Aliás, quem inventou o Macintosh não foi Steve Jobs, mas um engenheiro da Apple chamado Jef Raskins, após o fiasco absoluto de um computador semelhante ao Mac mas muito mais caro, o Lisa. E o Lisa sim foi idéia de Steve Jobs, fortemente inspirado pelo sistema-linguagem Smalltalk, com interface gráfica baseada em mouse, criado pela Xerox para o lendário computador Alto — tamanha foi a empolgação de Jobs com a idéia que ele ofereceu à Xerox ações da Apple em troca da permissão de usar a mesma tecnologia.

Que Steve Jobs descanse em paz, com todas as honras que merece pela sua história… mas não com as glórias dos outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *